Helena Prieto’s Blog

Just another WordPress.com weblog

MICO: Pesquisa e divulgação Abril 22, 2011

Filed under: MICO — helenaprieto @ 8:17 pm
Tags: , ,
Pesquisa

O trabalho de pesquisa exige um sólido conhecimento teórico de uma série de procedimentos para orientar o trabalho de campo. Esses procedimentos são globalmente esquematizados neste powerpoint onde se apresenta as diferentes etapas do desde o início do trabalho de pesquisa até à sua divulgação .
Para que um trabalho de pesquisa tenha validade e rigor científico é importante que o investigador tenha presente todos esses procedimentos e os aplique de forma correcta e conscienciosa.
Na comunicação dos resultados do seu trabalho de pesquisa, essas fases devem vir bem indentificadas e todos os procedimentos descritos de forma a que se torne transparente e preceptivel o caminho percorrido para alcançar os resultados apresentados. A transparência de todo o processo é também uma forma de validar o trabalho aos olhos da comunidade científica.

http://voicethread.com/book.swf?b=1972524

Etapas do processo de investigação

Anúncios
 

MICO: o E- investigador e algumas ferramentas online Abril 18, 2011

Filed under: MICO — helenaprieto @ 6:44 pm
Tags: ,

The World is my home

O mundo é a minha casa

O e-investigador pode actualmente socorrer-se de múltiplas ferramentas online. Algumas das quais bastante poderosas e completas que suportam e facilitam o trabalho de divulgação, recolha e armazenamento de dados e o seu tratamento de forma automática.

Algumas ferramentas para realizar inquéritos online:

Algumas opçoes são gratuitas ou semigratuitas ( versão gratis por X tempo) e podem ser experimentadas sem custos adicionais para o investigador. outras ferramentas têm serviços bastante completos oferencendo pacotes interessantes.

http://freeonlinesurveys.com/

http://pt.surveymonkey.com/

http://www.esurveyspro.com

este tem umas orientações práticas de como fazer um questionário online:

http://www.esurveyspro.com/article-steps-online-questionnaire.aspx

e orientação prática de como elaborar as perguntas do questionário

http://www.esurveyspro.com/article-online-survey-design-questions.aspx

http://www.zoomerang.com/

http://www.freesurveysonline.com/

http://questionform.com/

http://www.askitonline.com/

http://www.survs.com/

https://www.limeservice.com/

http://www.kwiksurveys.com/

http://www.proprofs.com/quiz-school/

Para a condução de entrevistas online ou em ambientes virtuais existem uma variedade de opções de ferramentas síncronas e assíncronas:

Síncronas como gtalks, messenger, skipe, Second Life! e sistemas de video conferência como o CUseeme, elluminate, colibri ou sistemas audio conferência entre muitissimos outros  ) e assíncrona, através do mail ou de redes sociais – hi5, orkut,facebook, ning, twitter, linkdin…

Caso o investigador trabalhe e equipa , a análise e comunicação dos dados pode ser feita através de ferramentas colaborativas que permitem elaborar textos, imagens, quadros , tabelas, gráficos de forma colaborativa online.

http://drawanywhere.com

www.gliffy.com

http://creately.com

Para a publicação de resultados online, para além de sites da especialidade, há sempre a possibilidade de publicar na página pessoal do investigador – blog, wikis,  ou ainda de recorrer a ferramentas de publicação variadas.

http://issuu.com

www.yudu.com

http://calameu.com

www.myebook

Estas são apenas algumas de uma longa lista de ferramantas disponiveis online.

 

MICO:Trabalho de campo – entrevista online Março 21, 2011

Filed under: MICO — helenaprieto @ 10:34 pm
Tags: , , ,

Este trabalho de campo teve por objectivo saber o que pensam os professores do ensino básico e secundário das redes sociais e da sua possível ou real utilização para desenvolver actividades de ensino/ aprendizagem.É o trabalho final da Unidade Curricular de MICO.
http://content.yudu.com/Library/A1rffv/MicoRedessociaisnoen/resources/flipbook.swf
Click to launch the full edition in a new window
Self Publishing with YUDU

 

Visitantes do blog 5 boeings 747 cheios Fevereiro 19, 2011

Filed under: Uncategorized — helenaprieto @ 7:56 pm

Números apetitosos
 
Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 2,000 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 5 747s cheios.
Em 2010, escreveu 46 novos artigos, aumentando o arquivo total do seu blog para 61 artigos. Fez upload de 32 imagens, ocupando um total de 5mb. Isso equivale a cerca de 3 imagens por mês.
O seu dia mais activo do ano foi 22 de Fevereiro com 32 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Personal reflections.
De onde vieram?
Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram moodle.univ-ab.pt, netvibes.com, google.com.br, omeucarpediem.blogspot.com e search.conduit.com
Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por cooperative learning, helena prieto, cooperative learning cartoon, online teaching e english for restaurants

 

CAEL – Reflexão final

Filed under: CAEL — helenaprieto @ 6:02 pm
Tags: , , ,
reflexão

reflexão

Numa tentativa de organizar os posts e algumas reflexões adicionais, elaborei um portfolio, onde ficam mais arrumadinhos os textos de reflexão produzidos no decurso da Unidade Curricular  Concepção e Avaliação em E- Learning.

O meu e-portfolio

A organização do portfolio, obrigou a um trabalho de revisão e ao repensar dos conteúdos e dos métodos de trabalho.Fazendo o ponto da situação, chegui à conclusão de que precisava de uma melhor organização dos conteúdos para que eu própria tivesse uma noção mais clara do percurso efectuado e compreender melhor o fio condutor para estruturar as minhas aprendizagens pessoais. A publicação dos posts com algumas reflexões não foi sistemática,mas procurei ser coerente e mostrar aprendizagens realizadas e modos de trabalho. Fiquei contente com os comentários do Marco Freitas, porque compreendo que este trabalho também é útil para a comunidade de aprendizagem.

 

CAEL-Reflexão pessoal Fevereiro 17, 2011

Filed under: CAEL — helenaprieto @ 9:08 pm
Tags: , ,
umateia de factores de sucesso
Teia de factores de sucesso

As leituras realizadas da bibliografia indicada e de outra sugerida pelos colegas ou pesquisa para aprofundar alguns aspectos que mais me suscitaram curiosidade foram fundamentais para o desenvolvimento das aprendizagens nesta UC, onde se pretendeu tomar consciência da teia de factores que influem na concepção de cursos online de qualidade e da sua interligação para promover também o sucesso da formação. Observamos, que nem sempre a qualidade e o sucesso são factores directamente associados, numa relação de causa /consequência. No entanto, a qualidade do design, do apoio e da comunicação entre os elementos envolvidos são elementos essenciais na promoção da qualidade e do sucesso dos alunos. Estes aspectos são mencionados quer na literatura, quer nos nossos fóruns de discussão, onde partilhamos ideias, pontos de vista e experiências de aprendizagem.  

Os fóruns de discussão foram um elemento fulcral para a aprendizagem, pois neles são postas dúvidas, questões, e levantados problemas, que fornecem novas perspectivas sobre os assuntos em estudo, gerando assim uma importante fonte de conhecimento motivadora da reflexão. A dinâmica da comunidade de aprendizagem gerada desta forma foi um elemento essencial no desenvolvimento da aprendizagem individual. A visibilidade do processo, a comunicação assíncrona permite pensar, reformular os textos produzidos desenvolvendo-se assim uma maior capacidade de reflexão e de auto-regulação das aprendizagens. O processo sempre interactivo de leitura/escrita, inerentemente obriga ao desenvolvimento de competências de escrita e de estruturação do pensamento e consequentemente dos textos produzidos. A partilha de experiências relativamente ao processo de adaptação e de desenvolvimento do percurso de aprendizagem em ambiente online ajuda a eliminar a sensação de isolamento e a nos sentirmos mais integrados. A presença próxima do e-professor, orientador e condutor do percurso ajuda a essa integração. No ambiente online, onde toda a interacção é mediada por computador e a comunicação normalmente assíncrona, a presença social activa dos elementos do grupo de trabalho, do e-professor são indispensáveis para ultrapassar a barreira física da distância. Estes foram nesta UC os aspectos chave e os factores de qualidade que mais destaco.

Quanto a condições e saberes do perfil do aluno, destaco a vontade de aprender e de arriscar, explorar novos ambientes e formas de aprender; uma atitude exploratória para ir mais além, para ultrapassar as dificuldades que se encontram ao longo do percursos. Aprender é um investimento em nós próprios e nos outros. Em termos práticos, aprender online requer uma boa gestão do tempo, em especial no caso de trabalhadores estudantes e uma noção mais realista dos objectivos pessoais de aprendizagem. Como a maior parte da comunicação é escrita, os textos têm de ser lidos e este ciclo comunicacional de leitura/ escrita é bastante exigente em termos de tempo. Os ambientes de aprendizagem virtuais exigem também domínio progressivo das tecnologias e a aprendizagem de procedimentos novos ou de uma transposição de procedimentos para novas situações. Em termos pessoais, as minhas competências de escrita e leitura, de reflexão e auto-crítica foram bastante desenvolvidas, assim como as competências técnicas no domínio de algumas ferramentas de comunicação assíncrona. Em muitos aspectos, houve um “revamp” de competências de aprender a aprender, pois a modalidade de trabalho de grupo online assim o exige.

Quanto à liberdade de escolha de temas ou de percursos de aprendizagem a seguir, penso que este curso têm muita qualidade, pois permite que cada aluno faça o seu percurso pessoal de uma forma interligada e construtiva. E constato que os ambientes online são mais propícios para a aprendizagem destas competências, pois a comunicação assíncrona permite pensar, reflectir e construir textos mais estruturados. Isso também disciplina o pensamento e estrutura-o.  

Em termos de formas de avaliação, destaco a avaliação para a aprendizagem e avaliação da aprendizagem. A primeira porque permite uma maior consciencialização do percurso realizado e a realizar, obrigando a uma constante auto-reflexão crítica e auto-regulação dos processos de aprendizagem por parte do aluno – o aprender a aprender –. Na sociedade actual, essa é uma competência essencial a desenvolver. Se por um lado, aprender online exige uma transposição de procedimentos mais característicos da aprendizagem presencial, por outro lado há medida que se torna mais parecido com o presencial (com a incorporação dos trabalhos de grupo, comunicação síncrona, por exemplo) é preciso desenvolver diferentes competências quer de modos de trabalho, quer técnicas.

A segunda forma de avaliação é institucional e socialmente importante, pois é desta forma que os conhecimentos adquiridos são reconhecidos e esse processo legitima as aprendizagens aos olhos da sociedade.

A avaliação não se resume apenas ao lançar dos resultados, é necessário haver investigação dos procedimentos, observar e divulgar boas práticas num movimento ascendente de procura de melhorar a qualidade do ensino/aprendizagem online. Por isso, e pelo facto desta modalidade de ensino/ aprendizagem ser relativamente nova, este é um campo de investigação essencial – Investigar a avaliação/ melhorar a qualidade.

 

MICO- Questões de investigação: Investigar a avaliação dos cursos online Fevereiro 13, 2011

Filed under: MICO — helenaprieto @ 7:21 pm
Tags: , ,
Pesquisa e avaliação

pesquisa e avaliação

A Sónia Valente focou a  questão da avaliação como um campo em aberto para a investigação. No entanto, em CAEL, lêmos vários artigos sobre a avaliação dos cursos online e se pesquisarmos um pouco encontramos muitos artigos que focam as questões de avaliação. Mas a perspectiva é mais teórica e normativa do que prática.

As questões de avaliação do ensino online são bastante estudadas e prendem-se com aspectos práticos relacionados com o prestígio das instituições, com a competitividade das instituições na oferta de formação e não apenas com objectivos formativos. A avaliação (1) é sempre um aspecto sensível e bastante complexo pois envolve muitos factores intrínsecos ( métodos, técnicas de avaliação, procedimentos, tipos de avaliação…) e extrínsecos ( prestigio da instituição, competitividade no mercado…). No entanto, parece haver poucos estudos comparativos entre o online e o presencial no que toca a medir de forma mais objectiva a eficácia das aprendizagens  realizadas online até 2006, de acordo com as conclusões do estudo desenvolvido nos Estados Unidos (2)

Simone Conceição(1), refere os sete princípios de avaliação  de acordo com Chickering e Gamson( 1987) – encorajar o contacto estudante/ universidade; encorajar o contacto dos estudantes entre si , encorajar a aprendizagem activa, promover o feedback rápido, enfatizar o tempo na tarefa, comunicar expectativas altas, respeitar os diferentes talentos e modos de aprendizagem  e enfatiza a necessidade de uma avaliação cujos resultados impliquem melhorias em procedimentos futuros do funcionamento dos cursos , considerando o curso, as actividades online, o desempenho do aluno, o desempenho do professor e o programa utilizado. O powerpoint apresentado visa a reflexão dos professores em relação aos cursos administrados online . A reflexão e a análise dos procedimentos são uma forma comum de avaliação do funcionamento dos cursos. Uma questão de investigação interessante seria , por exemplo saber que tipo de auto-análise os professores online fazem para saber  que aspectos precisam de melhorar e que procedimentos implementam para melhorar esses aspectos.

Nos Estados Unidos, os investigadores do Centro para a tecnologia em Aprendizagem, realizaram um estudo sobre a qualidade de ensino nos cursos online com o objectivo de responder a quatro questões de investigação:

“1.How does the effectiveness of online learning compare with that of face-to-face

instruction?

2. Does supplementing face-to-face instruction with online instruction enhance learning?

3. What practices are associated with more effective online learning?

4. What conditions influence the effectiveness of online learning?”( pág.XI)

 e publicaram um relatório de meta- análise(2) com algumas descobertas/ conclusões interessantes:

-Maior eficiência (modesta) do ensino online/ b-learning em relação ao presencial.

“Online learning conditions produced better outcomes than face-to-face learning alone”(pag 51)

– Há um grande conjunto de factores que promovem a eficácia das aprendizagens e que não se baseia somente no facto do curso ser online.

“That caution applies well to the findings of this meta-analysis, which should not be construed as demonstrating that online learning is superior as a medium. Rather, it is the combination of elements in the treatment conditions, which are likely include additional learning time and materials as well as additional opportunities for collaboration, that has proven effective.” (pág 51)

 

–          Há maior ganhos de aprendizagem quando esta é realizada de forma colaborativa em comparação com a aprendizagem independente.

–          Há maior abrangência de estilos de aprendizagem nos cursos online.

Deste estudo muitas questões ficam em aberto em relação à avaliação dos cursos online , comparados com os desenvolvidos em regime presencial.

Um dos aspectos apontados como limitativos dos estudos conduzidos referem o  pequeno número de estudantes envolvido e o duplo papel do investigador/ professor.

Tendo estes aspectos em conta, são necessários estudos independentes eu contrastem o desempenho dos alunos no ambiente presencial e online, medindo as aprendizagem.

Há muito a investigar em relação á avaliação dos cursos online. Apesar de já existirem muitos relatórios de investigação referindo muitos aspectos teóricos e de boas práticas, há um campo aberto para o desenvolvimento da investigação referente ao que realmente se faz.

Bibliografia:

(1)    CONCEIÇÃO, Simone, Assessment  and Evaluation of Online Programs, acessível em

http://www4.uwm.edu/acad_aff/academic/opc/06_mar10assesseval.pdf, acedido a 13 de Fev. 2011

2- MEANS, Barbara et all. (rev2010), Evaluation of Evidence-Based Practices in Online Learning-A Meta-Analysis and Review of Online Learning Studies, Departement of Education, USA , acessível em http://www2.ed.gov/rschstat/eval/tech/evidence-based-practices/finalreport.pdf, acedido em 13 de Fev. 2011.