Helena Prieto’s Blog

Just another WordPress.com weblog

MICO: Entrevistas- planeamento e condução; ferramentas online Janeiro 24, 2011

Filed under: MICO — helenaprieto @ 10:01 pm
Tags: , ,

The interview is not simply concerned with collecting data about life: it is part of life itself, its human embeddedness is inescapable”.

 Cohen at all

Dependendo dos objectivos da investigação, o investigador pode optar por vários tipos de entrevista sendo os três principais tipos a entrevista estruturada que é realizada de uma forma mais rigida , seguindo um guião pré-estabelcido; a entrevista semi- estruturada, que é baseada em perguntas previamente preparadas, mas é mais flexivel e vai procurar que o entrevistado desenvolva ou aprofunde os assuntos em análise. Por isso, o guião serve de base, mas o papel do entrevistador é aqui muito importante para o sucesso desta técnica de pesquisa. A entrevista não estruturada, por seu lado, surge como uma técnica exploratória de pesquisa . O entrevistador vai fazendo perguntas de forma a desenvolver o ponto de vista do entrevistado.

O planeamento de uma entrevista é um passo inicial muito importante que pode determinar o sucesso do estudo que se pretende pois as perguntas da entrevista são uma espécie de definição dos objectivos do estudo. Encontrei um estudo já antiguinho, mas que me pareceu muito directo e prático para qualquer entrevistador, pois aponta aspectos práticos e procedimentos para se fazer uma boa entrevista.

Andrew Collins ( 1970) em The Interview: An educational research tool refere a importância crucial do papel do entrevistador quer na fase de preparação, condução como na fase de interpretação dos dados. Ele refere também que embora haja alguns perigos relativamente  à condução e análise dos dados, em especial, a entrevista continua a ser uma das “técnicas de investigação mais vantajosa para as pessoas que queiram saber os que os outros têm para dizer” (tradução livre)

Por exemplo na fase de planeamento, este autor refere que a formulação das questões de acordo com os objectivos da entrevista; se esta é estandardizada ou não. Este dado é importante para se ter em conta as condições em que os entrevistados respondem. Por exemplo, fazer as perguntas aos entrevistados pela mesma ordem assegura que a informação é obtida nas mesma condições e que as diferenças se devem aos entrevistados e não à forma de condução da entrevista. Como desvantagem apresenta a falta de liberdade para se seguir o fio/ desenvolvimento natural da conversa. Por outro lado, nas entrevistas não estandardizadas (entrevistas não estruturadas) o desenvolvimento da conversa é mais natural, mas é necessário um entrevistador com maior sensibilidade e prática para conseguir fazer as perguntas certas, no momento certo e de forma apropriada.

Esta é uma capacidade que é bastante exigente mas determinante para o sucesso da entrevista.

Embora actualmente tenhamos à nossa disposição tecnologia mais acessível que nos permite gravar ao vivo as entrevistas, até mesmo as realizadas online e partir desses registo analisar melhor os dados. O sucesso fase de planificação e de desenvolvimento da entrevista dependem muito do desempenho do entrevistador.

Online há várias ferramentas/ serviços que permitem conduzir um a entrevista online, dos quais se destacam várias ferramentas de comunicação síncrona ( gtalks, messenger, skipe, Second Life! e sistemas de video conferência como o CUseeme, elluminate, colibri ou sistemas audio conferência entre muitissimos outros  ) e assíncrona ( através do mail ou de redes sociais por exemplo).

As entrevistas conduzidas online, têm a vantagem de ficarem gravadas automaticamente o que simplifica bastante o processo de transcrição do texto. Uma limitação pode ser a falta de pistas visuais de interpretação, mas as vantagens destes sitemas são inegáveis. Se o investigador utilizar um sistema de video conferência, a condução da entrevista inclui essas pistas visuais.

Referências:

http://www.elluminate.com/

https://webconference.fccn.pt/colibri/public/mainPortal.jsp

hREZABEK, R.. Online Focus Groups: Electronic Discussions for Research. Forum Qualitative Sozialforschung / Forum: Qualitative Social Research, North America, 1, jan. 2000. Available at: http://www.qualitative-research.net/index.php/fqs/article/view/1128/2510. Date accessed: 20 Nov. 2010.